Segovia Aqueduto


O Aqueduto de Segóvia é uma das obras mais imponentes e magníficas que os romanos deixaram nesta cidade espanhola. A instalação foi construída para conduzir para Segóvia a água da serra e hoje é um dos símbolos mais representativos da cidade.

Os diferentes estudos atribuem a construção ao século I d. C., durante a época dos Flávios. O aqueduto é formado por 167 arcos de pedra granítica e unidos por silhares sem a ajuda de argamassa, unicamente mediante um engenhoso equilíbrio de forças.

No primeiro trecho do aqueduto contam-se 36 arcos apontados e reconstruídos no século XV, para restaurar a parte destruída pelos muçulmanos. Se o visitante observar o andar superior, os arcos têm um espaço de 5,10 metros, com uns pilares de menor altura e espessura do que os que já pode ver no andar inferior. Finalmente, a estrutura completa-se com uma cobertura por onde decorre o canal que conduzia a água.

A obra é considerada de grande beleza, pelo que não é de estranhar que a UNESCO declarasse a estrutura Património da Humanidade.

A lenda do aqueduto de Segóvia é conhecida por todos os habitantes da província. Contam as histórias que uma menina subia todos os dias até ao mais alto da montanha e descia com um cântaro cheio de água. Um belo dia, pediu ao demónio que construísse um meio para não ter de ir diariamente buscar água e, naquela mesma noite, o diabo concedeu-lhe o desejo em troca da sua alma se conseguisse terminar a tempo, antes de o galo cantar. O diabo construiu todo o aqueduto mas, antes de pôr a última pedra, o galo cantou, pelo que a menina não teve de perder a sua alma e, ao mesmo tempo, os habitantes de Segóvia passaram a dispor de água. No aqueduto falta essa última pedra, o espaço no qual, agora, aguarda uma Virgem da Fuencisla.

Se quiser ir ver este monumento histórico não hesite em estacionar o seu veículo no nosso parque de estacionamento situado no Paseo Campos de Castilla, s/n, na estação da cidade.